Blog

“Não podemos pagar essa conta que não é nossa” afirma presidente da Força Sindical regional de MS

O Governo e centrais sindicais começarão uma nova rodada de negociação da reforma da Previdência em meados de agosto. Contrárias a quase todas as ideias do Planalto, as centrais vão propor a criação de um regime previdenciário para quem ingressar no mercado de trabalho a partir de agora. “Não podemos penalizar os trabalhadores. Não podemos pagar essa conta que não é nossa. Não é do trabalhador”, criticou Idelmar da Mota Lima, presidente da Força Sindical regional Mato Grosso do Sul.

Idelmar, que preside o maior sindicato de trabalhadores do Estado, o dos comerciários de Campo Grande (SECCG) que representa cerca de 40 mil profissionais, disse que as centrais fincaram o pé com essa questão. “O governo tem que buscar solução para o rombo na Previdência, em outros campos e não nas costas dos trabalhadores”, critica o sindicalista.

A proposta das centrais é que as contribuições dos novos trabalhadores sejam repartidas: a parte das empresas iria para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) e a parcela descontada dos trabalhadores seria depositada em um fundo criado para isso.

“Essas pessoas vão viver até cem anos. Não podem ser enquadradas [pela reforma]”, disse o deputado Paulo Pereira da Silva, presidente licenciado da Força Sindical nacional.

No fim de junho, na última reunião com a equipe do presidente interino, Michel Temer, UGT e Força se posicionaram contrariamente às ideias iniciais da reforma.

O governo quer definir uma idade mínima para a aposentadoria —65 anos para homens e 63 ou 64 anos para mulheres. A mudança valeria para todos os trabalhadores da ativa, e não somente para os que ingressarem depois da mudança.

Também pretende frear o aumento dos gastos previdenciários, desvinculando os benefícios dos reajustes do salário mínimo.

Em vez disso, segundo Idelmar da Mota Lima, as centrais querem aumentar a receita da Previdência para cobrir o rombo. Sugerem, por exemplo, o lançamento de um programa de parcelamento de dívidas previdenciárias, hoje em torno de R$ 240 bilhões. O fim das desonerações de contribuições previdenciárias renderia cerca de R$ 45 bilhões, segundo cálculos da Força. Também ajudariam a venda de cerca de 3.000 imóveis ociosos em posse do ministério e a destinação de pelo menos metade da renda de bingos e jogos de azar para o caixa da Previdência.

Segundo as centrais, mesmo que suas propostas sejam aceitas, ainda haveria um rombo de cerca de R$ 50 bilhões. Para cobri-lo, seria preciso aumentar a contribuição dos agricultores.

O governo chegou a sinalizar que a proposta final ficaria pronta em agosto, mas Temer preferiu esperar até a conclusão do processo de impeachment de Dilma Rousseff. Se não houver acordo, as centrais ameaçam barrar a reforma no Congresso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Sites para consulta pública:

        



Palavras-chave: rpps, investimentos, previdência, software previdenciário, consultoria, auxílios, benefícios, cálculo atuarial, avaliação atuarial, reavaliação atuarial, instituto, regime próprio de previdência social, crp, dair, dipr, dpin, certificado de regularidade previdenciária, criar rpps, consultoria rpps, sistema rpps, fundo de investimento